Impulso ao etanol na China é colocado em dúvida em meio à disputa comercial com EUA

A ambiciosa iniciativa da China de usar biocombustível em carros em todo o país até 2020 está em dúvida em meio a preocupações com o fornecimento de matéria-prima, como o milho, ampliadas por uma crescente disputa comercial com Washington, disseram produtores e analistas.

Em setembro do ano passado, o governo delineou planos radicais para implantar o uso do etanol na gasolina nacionalmente até 2020, em parte para dar vazão a seus enormes estoques de milho.

Produtores controlados pelo Estado, como a Cofco e a Jilin Fuel, apressaram-se a traçar planos de investir bilhões de iuanes para dobrar a produção no maior mercado automotivo do mundo.

Mas, desde então, apenas um grande projeto --a fábrica de 300 mil toneladas por ano da SDIC, na província de Liaoning, no nordeste da China-- recebeu autorização para iniciar a construção.

Três planos de expansão de grandes produtores estão paralisados ​​porque as empresas não têm a aprovação do governo, disseram três fontes com conhecimento direto da situação. Elas se recusaram a ser identificadas, pois não estão autorizadas a falar com a mídia.

O governo não revisou seu cronograma ou comentou publicamente sobre uma mudança na política.

Mas executivos de dois produtores, três especialistas em política e analistas de mercado disseram que o demorado processo de aprovação e os atrasos nos projetos sugerem que Pequim está silenciosamente repensando seus planos iniciais.

A desaceleração vem à medida que se intensifica uma disputa comercial com os Estados Unidos, elevando a ameaça de novas tarifas que poderiam impactar importações de milho ou etanol dos EUA para compensar uma eventual falta de oferta doméstica do cereal a preços atrativos.

(Fonte: Mercado Marítimo, reproduzido do DCI, 05/07/2018, e da Reuters, https://app.mercadomaritimo.com.br/articles/-LGfzzPfYC_CMn8ygVsL/impulso-ao-etanol-na-china-e-colocado-em-duvida-em-meio-a-disputa-comercial-com-eua)

Digite o que você procura